Fabricio Bloisi

A era das grandes transformações digitais está apenas começando

Postado em 31 de May de 2016

Uma das características que mais gosto no mundo da tecnologia é a velocidade com que as inovações acontecem e são incorporadas ao nosso dia a dia. Vale parar para pensar nas inovações e mudanças recentes, ocorridas no intervalo de uma geração – o crescimento do computador pessoal, a adoção da internet, a chegada das redes sociais e o avanço da tecnologia móvel com o desenvolvimento dos smartphones, que se transformaram num computador de bolso com banda larga sempre disponível. Não é incrível pensar que nada disto existia há 20 anos? Nesse período, empresas como Microsoft, Apple, Google, Facebook e Amazon, entre outras, redefiniram a economia global e a forma de as pessoas se relacionarem.

Se você acha que já avançamos muito, respire fundo porque estamos só no começo – a era digital mal saiu da infância e o melhor ainda está por vir. Mais do que nunca, a destruição criativa – conceito criado em 1942 pelo economista Joseph Schumpeter, segundo o qual “novas tecnologias (e empresas) mais modernas e eficientes sempre expulsam as tecnologias mais antigas e menos produtivas” – deverá impulsionar as mudanças da era digital. E, com elas, surgirão oportunidades de criarmos novas tecnologias, novas profissões e, claro, novos negócios.

Veja a seguir outros exemplos de inovações em desenvolvimento que deverão transformar completamente a cadeia produtiva e nossas vidas nos próximos anos.

  • Realidade Virtual / Aumentada

Presença obrigatória nos filmes de ficção, a Realidade Aumentada é a sobreposição de objetos virtuais (imagens e sons), gerados por computador, em um ambiente real. Esse “truque” é possível por meio de um dispositivo (smartphone, tablet ou óculos especiais) que possa capturar um conteúdo e exibi-lo em tempo real ao usuário, que interage com esse objeto virtual. Já a Realidade Virtual (RV) insere o usuário em um mundo totalmente virtual, através de óculos fechados que não reproduzem o ambiente em volta do usuário.

Como a tecnologia permite fazer simulações em 3D, as formas de aplicação são ilimitadas no comércio, indústria, entretenimento e na área de pesquisa. Esta tecnologia vai mudar completamente como interagimos com computadores (e com outras pessoas) nos próximos anos.

Em termos de potencial de mercado, a Realidade Aumentada deverá movimentar US$ 120 bilhões até 2020 e mudar a forma como interagimos, assistimos filmes, trabalhamos e aprendemos.

  • Drones

Conhecidos por seu uso militar, os veículos aéreos não-tripulados e controlados remotamente passaram a ter infinitas utilizações civis, como em filmagens, entregas e monitoramento. Sua versatilidade, associada ao preço acessível e evolução do software de controle dos drones, deverá impactar várias indústrias. Até 2020, cerca de 30 mil drones de uso civil e comercial estarão cruzando os céus dos EUA. A indústria dos drones prevê a movimentação de US$ 80 bilhões e a criação de 100 mil empregos até 2025.

  • Inteligência Artificial

Quando a expressão Inteligência Artificial foi criada pelo cientista John McCarthy, há 60 anos, a ciência da computação era baseada apenas na lógica: o programador ensinava a fórmula para a máquina resolver uma determinada equação matemática. O ganho era na velocidade e precisão dos cálculos.

O grande salto se deu nos anos 90, quando a abordagem de lógica simples deu lugar à estatística, por meio do uso de algoritmos, o que permitiu ao computador analisar dados e chegar sozinho a resultados. Seu uso está em toda parte: nos buscadores de pesquisa na internet, no acionamento de freios ABS de seu carro, no controle de cotações do mercado financeiro e etc.

O desenvolvimento dessa ferramenta está facilitando a substituição do homem pela máquina em várias áreas de negócios. Um ótimo exemplo são os bots ou robôs da internet, softwares inicialmente concebidos para simular interações humanas em jogos. Hoje são usados também, entre outras funções, como “atendentes virtuais” em websites de comércio eletrônico, respondendo perguntas de clientes com base em um roteiro pré-definido. Recentemente fizemos um evento na Movile para mostrar aos nossos clientes e parceiros como os bots revolucionarão não só as oportunidades de negócios, mas também a forma de interação entre empresas e consumidores.

Mas o próximo estágio da IA , que se tornará realidade nos próximos 5 anos, é baseado em um método conhecido como Redes Neurais, que permite que os computadores aprendam com base na experiência e em dados, sem a necessidade de programá-las para cada tarefa específica. Muito em breve computadores irão reconhecer fotos, padrões, dirigir, pilotar aviões e drones, diagnosticar doenças e planejar cenários muito melhor que os humanos. E também pintar e conversar – esta revolução vai mudar não só a indústria da internet como todas as indústrias e nosso modo de viver. A Inteligência Artificial é a chave para dominar a tecnologia no futuro. Para 2025, a disputa deve gerar negócios estratosféricos, acima da faixa dos US$ 6 trilhões, segundo estudo do Bank of America Merrill Lynch

  • Internet das Coisas

Desde os anos 90, a internet proporcionou três ondas de conexão. A primeira, por meio de computadores, conectou 2 bilhões de usuários. Na segunda, nos anos 2000, 3 bilhões de usuários passaram a acessar a rede em dispositivos móveis. A terceira onda, a chamada Internet das Coisas (IoT, na sigla em inglês), conecta objetos à internet – até 2025 serão 50 bilhões de dispositivos (geladeiras, carros, TVs, etc.) ligados online, disponibilizando uma quantidade incrível de dados.

O automóvel representa o melhor exemplo de como a IoT vai redesenhar nossa rotina. Estimativas da indústria indicam que todo carro produzido em 2025 sairá da fábrica conectado à internet. O objetivo é a interação com o sistema rodoviário, prédios e outros veículos no caminho, para fornecer informações em tempo real do entorno.

O passo seguinte é o desenvolvimento do veículo sem motorista – que já está em testes e em breve começa a ganhar escala.

Risco X Oportunidade

Os exemplos acima mostram que, como tudo o que envolve a era digital, a inovação provocará uma revolução nos modelos de negócios existentes maior do que causou desde o surgimento da internet.

Um estudo divulgado no Fórum Econômico Mundial, em Davos (Suíça), estima que todas as tecnologias digitais combinadas (dispositivos móveis, computação em nuvem, Inteligência Artificial, sensores, Internet das Coisas, Big Data etc.) serão responsáveis por um mercado de US$ 100 trilhões até 2025.

As mudanças são sempre um risco para as empresas, mas representam também grandes oportunidades – de gerar inovação e descobrir novos mercados. Na Movile, optamos por encarar as mudanças como oportunidade de crescer, de levar nossos produtos a novos mercados, e de tornar a vida das pessoas melhor através de nossos Apps — por isso, estamos sempre investigando o mercado e estudando maneiras criativas de usar as novas tecnologias. Temos certeza de que essas inovações vão viabilizar empresas de bilhões de dólares. Acreditamos que é possível capturar este valor a partir de empresas inovadoras na América Latina. E você, vai deixar passar esta oportunidade?

Originalmente publicado em: LinkedIn